Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Loulou

"To live a creative life, we must lose our fear of being wrong"

Loulou

"To live a creative life, we must lose our fear of being wrong"

Dá para se comer Quinoa sendo diabético?

Há coisa de umas duas semanas fui com a minha mãe a mais uma consulta, na Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal.

Como ela é diabética tipo II e insulinodependente, há já alguns anos... com uma certa regularidade, vai às consultas de rotina. 

Uns dias antes da mesma, os seus valores diários de glicémia, dispararam para valores muito acima do que se poderá considerar normal, para um diabético. As análises depois confirmaram um desregulamento glicémico ao longo do dia e do tempo. No mesmo dia, fomos encaminhadas para uma consulta de nutrição. 

 

Aquela associação, aliás toda a equipa responsável pelo espaço (desde o pessoal do atendimento aos próprios médicos) é maravilhosa! O paciente entra e é visto da cabeça aos pés, literalmente. Tudo o que possa estar relacionado com a diabetes, sejam problemas oculares, sejam problemas na ponta da unha dos pés... lá, é tudo visto e revisto. Não deixem de dar uma vista de olhos pelo site! (link mais acima).

 

Quando se tem diabetes ou um familiar diabético, uma das primeiras preocupações, senão mesmo a primeira, é com a alimentação. 

A minha mãe precisava de fazer uns reajustes à sua normal alimentação. Nada que já não lhe tivesse alertado. Mas como se costuma dizer.... santos à porta de casa não fazem milagres...

 

Aproveitando o facto de estar, frente a frente com uma nutricionista, aproveitei para expôr todas as minhas dúvidas. Uma delas passava pela hipótese de, em alternativa ao arroz, experimentar confeccionar outro tipo de cereais, como por exemplo a Quinoa.

Com tanta moda de super alimentos que por aí surge, não queria arriscar introduzir um alimento diferente e, que depois lhe fosse prejudicial.

Prontamente nos assegurou que era uma fantástica alternativa ao arroz e inclusive à batata. Rica em hidratos de carbono, entre outros minerais e vitaminas, o principal é que o seu índice glicémico ser muito baixo. Que os vegetarianos usavam em alternativa ao feijão, devido a ter uma maior concentração de ferro. E ainda referiu, ser um dos cereais que os celíacos podem consumir, visto não ter na sua composição glúten. 

O que é certo é que, saímos da consulta munidas de mais informação, orientadora, de quantidades e tipo de alimentos que poderiam ajudar a baixar, os níveis elevados de glicémia. Afim, de se evitar ter de recorrer ao aumento das doses de insulina. Que por si só já andam altas...

 

33257945804_1087220b11_c.jpg

Photo credit ☼I Love Living In The Country!☼

 

Sabem quais os benefícios da Quinoa para a nossa saúde?

 

Fiquem a saber:

- Baixo nível glicémico (IG) - ajuda a prevenir a diabetes e a obesidade. Ajuda a manter os níveis dentro dos parâmetros normais, de quem já é portador. Óptima opção para quem sofre de obesidade e precisa de alternativas alimentares ao arroz, massa e batatas.

- Ajuda na regulação da função intestinal - como cereal que é tem fibras que contribuem para a diminuição da absorção das gorduras.

- Na prevenção de doenças cardiovasculares - nos casos de níveis de colesterol elevados no sangue, pode ser uma boa solução alimentar, devido às fibras que compõem a quinoa. E não esquecendo a hipertensão muitas das vezes, associada às doenças cardiovasculares.

- É saciante - diminui o apetite.

- Possui fitoestogéneos, muito semelhantes aos estrogéneos femininos, pelo que pensa-se que possa ser um alimento a ser ingerido na altura da TPM, aliviando os seus sintomas. 

- Ajuda a regular o sono - possui triptofano (aminoácido), que é o responsável por estimular a libertação de serotonina. Ajudando na regulação do sono, do humor, temperatura corporal, etc...

- Ajuda a prevenir o envelhecimento celular - tem propriedades antioxidantes que são uma boa ferramenta no combate aos radicais livres.

 

Como preparar:

Prepara-se exactamente como se de arroz se trata-se. Tem de ser lavada antes de cozinhar, para que se elimine a resina natural presente nas pequenas sementes. Depois uma medida de quinoa para duas de água e deixar cozinhar durante 15 a 20 minutos. Temperar a gosto. Pode depois, ser ligeiramente salteada numa frigideira.

 

Onde usar:

Desde o pequeno-almoço à ceia. Como acompanhamento de carne, peixe ou em saladas. Até para sobremesas dá! Ao pequeno-almoço é um bom substituto dos cereais.

 

A nossa primeira experiência com a quinoa:

Cozi a quinoa e deixei arrefecer. Numa taça juntei um pouco de frango assado, sem peles e gorduras, cortado em pedaços pequenos. Juntei umas azeitonas pretas descascadas. Juntei ainda milho cozido, tomate cherrie cortado ao meio, um pimento daqueles pequeninos, cortado em cubos e a quinoa. Há parte juntei ainda um pouco de queijo de cabra fresco que tinha. Temperei com um molho de vinagrete.

E servi!

Nota, não usei sal! Mas quem quiser pode rectificar o sabor!


Resultados:

Na manhã seguinte, ao acordar e após medição dos seus valores... então não é que de quase 300 passou para 160?!

Já consegui reduzir, um pouco, da dose de insulina à noite! Continuo esperançada em aos poucos, continuar a reduzir as várias doses diárias.

Desejem-me boa sorte!

 

Chá de gengibre

 

Dica saudável - o Gengibre

O rizoma do gengibre (vulgarmente refere-se a raiz, mas trata-se de um caule subterrâneo - rizoma), é aromático, picante e uma das mais antigas e populares plantas medicinais. Excelente fonte de vitaminas e minerais.

gengibre-limao-emagrecer-receita.jpg

 

Os benefícios da sua utilização são inúmeros:

 

A nivel respiratório:

- Ele é antibactericida, anti-inflamatório, antipirético , de efeito sedativo e anti-histamínico ( minimiza os sintomas de alergias, das constipações e outras doenças do trato respiratório). Expectorante pulmonar. Usado para o alívio de dores de garganta na forma de chá.

 

A nivel do sistema digestivo:

- Reduz a flatulência, náuseas, vómitos e enjoos. Previne e trata o enjoo do viajante. Dores de cabeça de origem digestiva. É um optimo coadjuvante das digestões difíceis. Pode ajudar a regular o transito intestinal. Alimento termogênico (ajuda acelerar o metabolismo), age como inibidor do apetite pelo que é muitas vezes usado nas dietas de perda de peso.

 

A nivel sanguíneo - cardíaco:

Pode ajudar a redução do colesterol, e assim prevenir problemas cardíacos.  Anti-coagulante natural. Diminui a agregação plaquetária.

Diminuição dos niveis de açúcar no sangue.

 

Outros benefícios:

Casos de náuseas e vómitos durante a gravidez e até mesmo durante tratamentos de quimioterapia.

Anti-fúngico, utilizado para o alívio do ardor e prurido do pé de atleta, usado sob a forma de chá (fazer o chá, deixar arrefecer e mergulhar os pés durante aprox. 15 minutos, várias vezes ao dia).

Sob a forma de óleo usado em massagens no alívio dos problemas articulares, caso de osteoartrite, dores na coluna.

Alívio das dores menstruais.

Afrodisíaco, utilizado na Medicina tradicional chinesa para o tratamento da disfunção eréctil.

 

Mas como tudo na vida, existem sempre cuidados a ter:

Como alimento-medicamento termogênico (acelerador do metabolismo) deve ser evitado o seu consumo nos casos de Hipertioidismo, podendo levar à perda de massa muscular,uma vez que nestes casos o metabolismo por si só já é acelerado. Casos de hipertensão e ou outras doenças cardíacas, com toma de medicação à base de warfarina, ticoplidina, aspirina, pentoxifilina, heparina, entre outros, atenção que o gengibre pode potenciar o efeito anticoagulante destes medicamentos.  Pode aumentar a pressão arterial, hipoglicémia, insónias, nervosismo e taquicardias.

 

 

Chá:

gengibre-600x330.jpg

Modo de preparar:

Água (300 ml para 2 chávenas aproximadamente)

4 a 5 rodelas de gengibre, fininhas do tamanho de uma unha

Limão, a casca ou rodelas

2 colheres de sobremesa de mel.

 

Aquecer a água quase ao ponto de ebulição, ou seja, não se deixa ferver. No momento em que surgem as primeiras "bolinhas", desliga-se o jarro, ou tira-se do lume (o gengibre não pode ser fervido para não perder as suas propriedades). Previamente colocar no fundo do bule as rodelas do gengibre e as cas cascas ou 2 rodelas de limão. Colocar a água quente por cima e deixar em infusão durante cerca de 10 minutos. Coar para as chávenas e adoçar com mel.

 

Para o tratamento das dores de garganta, tomar de preferência antes de ir para a cama. 

 

Nota final:

Em caso de dúvida consulte sempre o seu médico, naturologista ou nutricionista.

 

Imagens retiradas da web

Pistachos - ajudam a reduzir a diabetes tipo II

A diabetes como todos sabemos caracteriza-se por um distúrbio metabólico caracterizado pelo elevado nível de glicose.

Os pistachos, são ricos em fibra, betacarotenos, ferro, vitaminas do complexo B, minerais e outras substâncias antioxidantes, que fazem deste fruto seco um óptimo snack para um estilo de vida saudável e equilibrado.

Estudos recentes, indicam que os pistachos podem exercer um papel muito benéfico no controlo da diabetes tipo II. Se associados a alimentos com elevados níveis de hidratos de carbono, diminuem os níveis de açúcar no sangue...

 

Vamos aos factos:

Num desses estudos, avaliou-se a resposta a uma dose de 30, 60 e 90g de dose diária deste fruto seco, durante um período de 4 semanas. A esta dose, adicionava-se a ingestão de pão branco. Juntamente com isto, os participantes foram submetidos a diferentes provas sanguíneas, para medir a pressão arterial, a resistência vascular periférica total em repouso e durante as provas de esforço.

Resultados:

Como a diabetes tipo II, está muita das vezes associada a patologias cardíacas. Os níveis altos de açúcar no sangue, especialmente na altura pós-prandial (após e entre refeições), incrementam o risco de se poder sofrer de um problema cardíaco.

O estudo revelou que os participantes pré diabéticos que consumiram 57g diárias de pistachos, tiveram um significativo decréscimo dos níveis de açúcar no sangue e insulina. Tendo-se notado melhoras no processamento da insulina e da glicose. Com diminuição drástica dos sinais de inflamação. Ou seja, as moléculas circulantes de sinalização da inflamação diminuem. Óptimos resultados para os diabéticos insulinodependentes pois melhora a resistência à insulina e ajuda a diminuir os níveis de açúcar.

A acompanhar estes resultados, em termos cardíacos, os vasos sanguíneos mantiveram-se mais relaxados e abertos durante as provas de resistência. Melhorias da frequência cardíaca. E aumento a actividade do nervo vago (parte importante no sistema nervoso parassimpático). O que no caso dos diabéticos tipo II, como sabemos, há um risco elevado de contraírem uma patologia cardíaca, em comparação com não diabéticos (mesmo sexo, idade e etnia). O excesso de açúcar danifica de forma progressiva os vasos sanguíneos, lesiona as paredes das artérias e favorece a acumulação de colesterol e com ele surge a arterioesclerose (endurecimento das artérias). Progressivamente, com o evoluir da doença,pode levar à cegueira, insuficiência renal e nos casos mais graves, amputação de membros...

Como melhor ingerir?

Para controlar os níveis de açúcar, devem-se ingerir os pistachos ao final da comida, uma vez que, é nesta fase que os níveis de glicose sobem no sangue. Evitando-se assim picos de açúcar. Associado a isto, as refeições devem conter hidratos de carbono, caso do arroz, pão, batatas, massas. Quando ingeridos sozinhos, os efeitos são mínimos.

 

Outros benefícios:

O seu consumo regular ajuda a descer o colesterol. Como possui vitaminas do complexo B, é indicado para o tratamento da diabetes, depressão e asma. Vitamina B1 - grávidas, lactentes e convalescentes de doença, quando os níveis normais desta vitamina estão diminuídos. Vitamina B6 - óptimo aliado para a prevenção do aparecimento de Parkinson, pelo seu papel na formação da mielina e sua contribuição na síntese de serotonina, melatonina, epinefrina e ácido gama-aminobulírico. Vitamina E - protege o organismo dos raios UV e ajuda a prevenir o envelhecimento da pele e alguns tipos de cancro.

 

Estudos:

- Unidade de Nutrição Humana da Universidade de Rovira e Virgili de Tarragoha

- European Journal of Clinical Nutrition

- Journal of the American Heart Association

 

Imagens retiradas da web

Dicas saudáveis - Mangostão e Rambutan

Estou de volta com as frutas exóticas.....

Desta vez com o mangostão e rambutan. Encontram-se com frequência nos supermercados, grandes superficies, ou, às vezes nos mercados biológicos. Caso destes exemplares.

O meu Jaqui não gosta de perder pitada do que se passa em casa. Quaisquer novidades que aparecem em casa têm que ser controladas, analisadas a aprovadas por "sua excelência", nas não é o único, a Nikki, a caçoula, vai pelo mesmo caminho...
 
Mangostão
  

 

Conhecido como a"rainha das frutas tailandesas", é um fruto arborícola, esférico vermelho a castanho-escuro. Com casca espessa e fibrosa. Deve ser cortado delicadamente para não ferir a polpa. Esta, por sua vez, é branca, mole e suculenta, de sabor doce, mas delicado. Costuma ter só uma semente. Uma das frutas reconhecidas pelas suas propriedades benéficas e terapêuticas para a nossa saúde.

Princípios activos:

- Contém xantonas que proporcionam uma acção antioxidante, antitumoral, anti-inflamatória, antiviral, antifúngica e antibiótica.

- Ácido hidrocicitrico, responsável pela sensação de saciedade, ajuda a eliminar as gorduras, logo, um responsável no combate e prevenção do "mau" colesterol.

- Quinonas - acção semelhante às tetraciclinas (antibiótico).

- Fenóis - propriedades antimicóticas.

- Catequinas e estilbenos , antioxidantes

- vitaminas e minerais

 

Rambutam

Fruta nativa da Indonésia, a sua designação deriva da palavra malaia Rambut (cabelo). Daí ser conhecida como a "fruta cabeluda" devido ao seu aspecto.

Possui uma polpa doce muito parecida com a da lichia. Contém vitamina C e B3, Cálcio, hidratos de carbono, Ferro, Fósforo, Proteínas e Potássio.

Saponinas e taninos e um alcalóide nas sementes.

Pode ajudar a combater o stress e reforçar o sistema imunológico. A combinação das vitaminas do complexo B, especialmente a B3 e o ácido fólico, melhoram a saúde digestiva e a pele.

 

Fica uma receita que encontrei na web:

 

Frapê de Rambutam com manga

 

Ingredientes:

5 Rambutans sem casca e sem pele

1/2 Manga em tiras

100ml Leite de coco

2 Folhas de Hortelã

10 Pedras de gelo

 

Modo de preparar:

Bata todos os ingredientes no liquidificador. Coloque num copo, de imediato e sirva decorado com uma folha de hortelã.

Siga-me no Facebook: www.facebook.com/InnamorataPerArte

 

Mais sobre mim

foto do autor

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Loulou no pinterest

Loulou no face

Mensagens

Pesquisar

 

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D