Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Loulou

"To live a creative life, we must lose our fear of being wrong"

Loulou

"To live a creative life, we must lose our fear of being wrong"

A menina e o gato...

Este podia bem ser o título de uma qualquer história... de uma qualquer menina e do seu gato. Talvez até podia ser o gato quem nos contasse a história. Uma baseada na sua vida. Ou só a partir do momento que encontrou a menina? Porque antes, era muito bebé para se lembrar.

Do dia em que apareceu no seu jardim. Pequenino, assustado, frágil e doente. Do quanto amor sentiu quando se enroscou pela primeira vez no colo da menina e de tão feliz que estava... ronronou... como se calhar nunca antes tivesse feito, deixando-o surpreso! De como recuperou o seu estado de saúde, para surpresa de todos, especialmente da veterinária. Com o passar do tempo, as aventuras em que gosta de se meter, das irmãs que a menina, entretanto, também resgatou e trouxe para casa. Sem nunca esquecer, do fortalecimento dos laços de amizade entre os dois. 

Até que era capaz de dar uma história engraçada!

Mas não é... não pelo menos hoje!

Um dia quem sabe!

Hoje é para dar uma boa nova! É por ser sexta-feira?! Não...

No fim de semana passado, finalmente, consegui arranjar um pouquinho de tempo e concluir a pintura da tela. Mais uma acabada!

IMG_20170706_141516.jpg

 Pintura acrílica sobre tela

 

Aaahhhh!

Que sensação maravilhosa vermos o nosso trabalho terminado.

E se pensam que agora é água de coco e sombra de bananeira.... desenganem-se. Lá porque acabei esta, não quer dizer que não hajam mais...

 

 

Até chegar aqui, foi mais ou menos assim o caminho:

Finalmente decidi de que cor deveria pintar o gato...

Pintura - passo a passo

 

Ai tela como te quero ver pronta...

Ontem voltei ao meu gato... ou melhor à tela com um dos meus gatos pintado. O Jaqui...

Pois... eu bem que tento pintar ou fazer o melhor que consigo. Reflexo dos meus parcos conhecimentos em pintura. Sim, sou amadora. Talvez tenha algum jeito. Mas no que toca a pintar retratos, sejam eles de pessoas ou animais, esses... vai-se a paciência pelo cano abaixo... são a minha maior dificuldade, o meu tendão de Aquiles! Tento... erro, leio, consulto, pesquiso e volto a tentar...

Desta vez avancei pouco, talvez sejam dos meus olhos, mas sinto que tenho o gato a parecer-se mais com o da foto do que anteriormente. Vontade e motivação essas não me faltam!

Ah! como o quero ver acabado!...

Até já chego ao ponto de sonhar com ela pronta. Sítio já está escolhido e tudo! Só não sei em que ano a vejo pronta! Até ao momento não passa disso mesmo, um sonho. Ando nisto deste o ano... e troca o passo... eheheheh.

Tenho tido ainda algumas/grandes dificuldades em ver concretizada a minha ideia de como a quero finalizada. Sim... mania do perfeccionismo. Isso e o meu musa inspiradora não me ter facilitado a vida. Como se ele tivesse tido alguma culpa, quando escolhi aquela foto. Na que ele andava-me com um olho à Camões. eheheheh! Entretanto sarado. Quando comecei a pintar a tela, baseei-me numa que lhe tirámos quando veio para casa. Com poucos meses de vida, doente e com um problema no olho.  Mas era a que tinha na altura e ele era, ainda é mas doutro modo, tão fofinho. A foto é parecida há que está mais abaixo. Tinha o olho semi-cerrado. Logo, à partida uma dificuldade em posicionar correctamente o olho aberto no bicho... na tela!

Se há fotos que nos deixam inspiradas, aquela foi uma delas. Que nos deixam com vontade de pegar nos pincéis e avançar a todo o gás na pintura. Mesmo que não tenhamos nenhuns ou poucos conhecimentos. Mesmo que o que pintamos seja instintivo ou intuitivo. Temos que fazer, rabiscar, pintar... Aquela foto, que se fosse hoje, não sei se a teria escolhido para inicio das minhas tentativas na pintura de retratos. Talvez tenha me precipitado. Devia ter começado sim com algo mais simples. Talvez faça parte da minha essência a procura do difícil? Quem sabe? Mas o que já está... já está. 

CIMG8224.JPG

Bem sei que não adiantei quase nada. E muito por culpa do meu receio em estragar os poucos avanços que vou lhe dando. Os mesmo que considero pequenas vitórias pessoais, na pintura. Olha lá se eu fosse para os óleos... Estava desgraçada! Mera aprendiz de aprendiz a pintora... Ainda tenho muito a aprender antes de dar o passo seguinte. Nada que não tenha já começado. Com coisas simples. Para ver como leva o tempo de secagem das tintas. 

Mas é entre as tintas acrílicas e os lápis que me sinto bem e lá vão surgindo à luz do dia, os meus ditos progressos. Isto traduzido por miúdos, são mais um pelito aqui outro acolá, uns retoques nos olhos. Esses sim estão quase como quero. Haja alguma coisa! ahahahahahah.

Os lápis têm sido uma ajuda fundamental no processo. Ajudam a matizar as tintas acrílicas e a dar sentido a pormenores que dificilmente conseguiria com os pincéis. As orelhas têm me dado cá uma dor de cabeça... salvo seja! O fundo também já começa a ter mais sentido. Ainda falta bastantes pormenores. Principalmente os sombreados que ainda não sei bem como vou reproduzi-los. Lá chegarei a essa fase! Desistir? Não. Já vou muito adiantada para desistir desta magana!

unnamed.jpg

Até fico embaraçada e um pouco, diria envergonhada de... só ao me lembrar que a última vez que peguei nesta tela foi em Setembro de 2016. O tempo passa a correr. Tempo esse que me foge para os trabalhos que requerem mais tempo e são-me mais morosos. Vão ficando em espera, mas nunca esquecidos. Não deviam, é certo. Vou fazendo o que posso.

A foto pela qual me estou a regular é parecida com esta! Dá para ver que o Jaqui ainda tinha o olho semi-cerrado e os bigodes todos sujos... Mas o verde dos seus olhos.... esse já lá estava! Assim como a bigodaça gigantona! ahahahahah

10665718_858297114181984_468829792866547781_n.jpg

Amanhã, novamente feriado, vamos lá ver se consigo dar-lhe mais uns toques!

Bom feriado!

 

 

 

 

có-coró-có-cóóó!.... que já estás pendurada na parede

 

Apesar de achar que nunca tenho tempo para fazer tudo o que quero... às vezes consigo inventar tempo! Nos últimos dias tem sido por demais.

Para além do trabalho (mais funções.... yes!!!!) a chegada da Ritinha a casa veio desorganizar a logística rotineira existente. Até à sua chegada as rotinas já estavam mecanicamente enraizadas... agora descambou... 

Novas rotinas procuram-se! 

 

Ai.... que a vontade de pintar seja o que for... aperta e o tempo não estica...

Os dias a passam... e o bichinho da pintura (entre outros) roía... roía...

 

Paciência...

O que tem de ser... tem de ser...

Primeiro as obrigações.... depois o resto...

 

Tá bem... tá bem. Até parece que não te conheces tão bem... penso cá para os meus botões...

 

Tenho de acabar o que comecei.

Tenho tanta coisa começada e a meio que tem de ficar pronta até ao final do Ano.

Espero!!!

 

Telas, caixas... para o Natal, para cá para casa... já nem sei...

Havia uma tela que já estava quase pronta... uma cá para a casa, mais propriamente para a cozinha.

E o que liga melhor com cozinha? Galos!

 

E lá ando eu de volta dos galos...

... vá se lá saber porquê?!.... Quem não leu ou quer reler: O galo que queria ser cão de guarda 

Mas este é especial, ou melhor esta galinha e especial...

Não sai da tela e não se corre o risco de que venha atrás de nós!!!

 

Cá está ela pronta e já colocada na cozinha!

 

CIMG7629.JPG

 

Vitória... Vitória... que acabou-se a história!

 

 

... sleeping baby.... parte I

 

 

Existe sempre uma história por detrás de cada peça criada. Umas vezes são histórias divertidas ou cómicas, outras...

... são histórias tão simples e banais como tapar uma mancha de lixívia...

E quantas não são em memorial de alguém ou de algo que nos marcou e queremos ver reflectido no papel, numa tela ou até mesmo no corpo como no caso das tatuagens? 

O que é certo é que todas as peças criadas reflectem não só o desejo de as quem pediu como o estado de espírito de quem as criou...

 

Esta podia ser a história de tantas mulheres que perderam um filho e não o é só...

É sim duma mulher que marcou e que à distância da saudade ainda marca a vida de quem a conheceu e teve o privilégio de com ela partilhar pedaços da história das suas vidas.

Pelo que este post, por isso mesmo, é um pouco mais intimista... dedicado a essa mulher reflexo de tantas outras...

Quis fazer à minha maneira, fazer reflectir numa tela o que penso, o que sinto, as memórias que carinhosamente guardo quando penso nela... a minha avó.

1.1.jpg

Não sendo um original meu... trata-se somente da minha interpretação dum trabalho da Sarah Summers.

Fica a promessa de em breve fazer um post do passo-a-passo desta tela.

Ao descobri-lo marcou-me pela sua beleza, simplicidade e principalmente mensagem.

Lembrou-me a minha avó. As memórias da minha infância e adolescência. Ainda me viu formada... mas quis um dia o destino fazê-la partir...

Continuo a sentir a sua falta. 

Agora o desenho,

quis adaptá-lo à minha visão da vida, ao que gostaria de acreditar que fosse verdade... Que algures estivessem mãe e filho reunidos, no conforto da eternidade...

O mesmo sítio que quero acreditar... que de lá continua a olhar por nós família e amigos... a esses que também marcou pela sua humildade e que com a sua enorme generosidade acolheu no conforto do seu lar. 

Não podia deixar de lhe agradecer tudo o que me ensinou, o quanto me amou e perdoou as minhas tropelias... também essas próprias da infância...

Também quero partilhar o quanto marcou, subtilmente, a alma de quem com ela partilhou a sua vida. Nos bons momentos e, somente esses porque dos maus não reza a história. De quem não a conhecia e se tornou amigo.... um membro da família...

"(...) Conduzindo já de regressa a casa, senti saudades dessas manhãs em que me sentava à secretária de madeira virada para a enorme janela do meu quarto que se abria para o jardim, e sentia a D. Engrácia chegar para dar milho e alimentar os pombos das redondezas que àquela hora se deslocavam para o "nosso" jardim.

Há alguns anos, um seu outro filho tinha partido ainda criança, vítima de um acidente enquanto brincava no Jardim do Príncipe Real e ela tinha prometido jamais deixar de alimentar aqueles que pelas suas asas davam cor e movimento ao espaço por sob o Céu onde o filho ganhara estatuto da eternidade.

A fé e o amor de mãe tornados pedaços de milho atirados aos pombos de Lisboa."

                                                                                                         Francisco Caeiro

                                                                                       In "Estas Palavras Nascidas dos Dias"

Também nós nos consideramos uma família de sorte pelo facto da Vida nos ter oferecido amigos como o FRANCISCO e Família!

Obrigada Quim!

Queria pintar umas figuras em relevo... e saiu isto...

Começo a achar...  que devem já estar a pensar que só falo e penso em gatos, os meus, os dos outros... mas não... existem outros assuntos de maior importância... ele há o Natal, o crochet, o chocolate, o...., etc... etc... e etc... 

Para assuntos sérios já me bastam os dos escritório!!! Aqui é para a descontra!!!!

Esta tela por exemplo, não era para ter este final... bem diferente ao que inicialmente tinha previsto... Queria pintar umas figuras em relevo e com uns símbolos tribais numa coluna lateral... Escusado será dizer que comecei e depois... após alguma hesitação... comecei a não gostar de como estava a ficar e.... e ficou uma tela a sobrestar...

Não por muito tempo...

CIMG7526 (2).jpg

 

Para quem gostou e quer fazer algo igual à minha:

Vão ter de escolher uma tela ao vosso gosto (quadrada, rectangular...),

Para aproveitar o fundo que tinha previsto para o outro projecto, na qual tinha aplicado um gel de relevo. E aqui podem usar pasta de relevo em vez do gel, o resultado final é diferente.

Dica - usem uma espatula e se não tiverem uma, a faca de plástico também serve!

Como tinha usado um gel acrílico de relevo sem adicionar-lhe a cor, usei o branco para preparar a tela para o desenho.

Dica - com o gel pode-se juntar tinta acrílica para dar cor ao fundo. 

Deixar secar muito bem, é rápido. 

Depois passa-se o desenho para a tela. Neste caso, o motivo foi a mão livre, e é melhor do que com o papel químico, pode não passar e é mais pessoal.

Feito isto, escolhi uma selecção de cinzas para o fundo. Para a jarra o branco, um cinza misturado com branco e rosa para a jarra.

Dica - ao adicionar estas cores usar a técnica float. 

Para as flores: o antúrio - os vermelhos, castanhos, laranja e preto; e para o jarro - lilás, branco, laranja.

Para finalizar contornar os motivos com lápis a óleo na cor preto e podem usar uma patine branco em pasta para dar maior ênfase aos relevos.

Dica - caso não tenham, branco a pincel a seco!

Algumas das cores que usei da Decoart Americana:

- Neutral Grey

- Slate Grey

- Raw Umber

- Tangelo Orange

- Orchid

Boas pinturas!

Mais sobre mim

foto do autor

Blogs Portugal

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Loulou no pinterest

Loulou no face

Mensagens

Pesquisar

 

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D